domingo, 1 de janeiro de 2017

Retrospectiva: Filmes assistidos em 2016

Como bem descrevi na minha postagem de 12 coisas boas em um ano de merda, uma das minhas melhores posturas foi criar uma lista das coisas que consumi. Resolvi listar e fazer breve comentários, não necessariamente técnicos, sobre todos os filmes que assisti e, indo além, resolvi catalogar também as séries de TV, animes (desenhos animados) e minhas leituras. Só os filmes possuem comentários e notas (escala de 1/5).

Essa é a lista dos filmes; os que estão marcados em vermelho são aqueles que mais recomendo, o que não quer dizer que sejam os melhores filmes da lista, mas aqueles que acredito que mereçam um destaque, saindo um pouco do óbvio (eu escrevi muito "divertido", "interessante" e "impressionante"). Confira:
Janeiro
1. Pentatonix: On My Way Home - Divertido para quem for fã do grupo - 3/5;
2. Nocaute - Jake carrega o filme, mas falta o ápice emocional da direção - 3/5;
3. Mad Max - Estrada da Fúria - Melhor filme de 2015 - 5/5;
4. Mr. Vingança - Linguagem lenta, mas intuitiva e dinâmica - 4/5;
5. Os Oito Odiados - Quase impecável, mas não extraordinário - 5/5;
6. Que Horas Ela Volta? - Enredo centrado com ótima direção e atuações - 4/5;
7. Hércules - Muito divertido, mas poderia ter um tom melhor para um épico - 3/5;
8. Vizinhos - Divertido, bom para passar o tempo - 3/5;
9. Rota de Fuga - Ótimo filme de brucutu. É sempre bom ver o Arnold e o Sly, melhor ainda quando eles estão juntos - 3/5;
10. Creed -  Revisitando um clássico com grande estilo, mas mantendo uma personalidade própria e respeitando a essência de outrora - 5/5.
 Fevereiro
11. Uma cilada para Roger Rabbit - Mistura perfeita de animação com atores reais - 5/5;
12. Police Story – A guerra das drogas - Tinha esquecido o qual espetacular e divertido era o Jackie Chan 4/5;
13. Deadpool - Ryan Reynolds Redemption - 4/5;
14. Police Story 2: Codinome Radical! - Continuação direta do primeiro filme, segue a mesma linha, mas não possuí as mesmas cenas antológicas do primeiro longa - 4/5;
15. Stardust: O Mistério da Estrela - Efeitos especiais datados, mas o charme da fábula permanece - 4/5;
16. Chicago - Razoável, já vi musicais muito melhores - 2/5;
17. O Tigre e o Dragão – A Lenda Verde - Genérico do original, sem classe e direção medíocre - 2/5;
18. Lilo & Stitch - Agradável, mas não é grande coisa 3/5;
19. A nova onda do imperador - Simples e divertidíssimo - 5/5.
Março
20. Police Story 3: Supercop - A história é melhor do que a do segundo filme, mas a construção das cenas de ação não é tão boa quanto a dos dois longas anteriores - 3/5;
21. Meu vizinho Totoro - Incrível como uma história sem trama complexa pode ser fantástica - 5/5;
22. Heróis de Ressaca - O fim da trilogia do corneto permanece com a qualidade dos anteriores, mas é o mais fraco dos três - 4/5;
23. Ataque ao Prédio - O filme continua supimpa após cinco anos do lançamento - 4/5;
24. Kung Fu Panda 2 - Simples, sem grandes personagens, mas razoavelmente divertido - 3/5;
25. Diamante de Sangue - Tem um probleminha de continuísmo, mas ao todo é um puta filme maneiro - 5/5;
26. Ratatouille - É difícil descrever, mas Ratatouille continua sendo uma das melhores animações da Pixar - 5/5;
27. Armadura de Deus - Esperava mais porrada. O interessante é que o pôster tem uma arma que não aparece no filme, pois o Jackie não usa armas - 3/5;
28. Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses - Puta filme divertido. Acerta bonito na nostalgia e ainda entrega uma expansão de universo interessante - 3/5;
29. Batman V Superman - Um filme desequilibrado, mas muito interessante. Falta a essência de muita coisa, do superman, das cidades e dos antagonistas. Ben Affleck, olha só, é a melhor coisa do filme - 3/5.
Abril
30. Macbeth - Narrativa lenta com linguagem shakespeariana preservada. Fassbender fantástico, como de costume. Mas faltou aquele toque a mais para deixar o ar épico da trama fazendo jus a proposta do filme - 3/5;
31. Stan Lee – Mutantes, Monstros e Quadrinhos - Stan Lee <3 - 5/5;
32. Oz – Grande e Poderoso - Abertura excelente, mas o filme em si é só OK - 3/5;
33. Appleseed Alpha - Muito diferente da animação da década de oitenta, até os personagens são diferentes. O estilo distópico é interessante, mas não é a abordagem mais agradável para a pegada de thriller original - 3/5;
34. Coraline - Continua maravilhosamente assustador - 5/5;
35. Sede de Sangue - Chan-wook Park é a melhor representatividade do cinema coreano moderno, aquele que sabe brincar entre gêneros e contar uma história inquietante - 5/5;
36. Relatos Selvagens - O cinema Argentino continua muito superior ao brasileiro. Os profissionais do nosso país necessitam estudar os vizinhos latinos para melhorarem a qualidade do seu trabalho - 5/5;
37. Hotel Transilvânia - É muito divertido, mas ainda falta certo charme, melhorar o tempo das piadas, história, personagens e afins - 3/5;
38. The Kirishima Thing - Um filme japonês que diz muito sem se expor de maneira deliberada. "The Kirishima Thing" faz você se sentir uma pessoa melhor - 5/5;
39. Sin City – A Dama Fatal - Filme meia boca, com os mesmos problemas do primeiro. Falta equilíbrio narrativo para conduzir a trama de uma maneira intrigante - 2/5;
40. 13 Assassinos - Ótima construção narrativa, atuações e desenvolvimento - 4/5.
Maio
41. Indie Game – O Filme - Documentário excelente. Você compreende as principais angustias de produzir um jogo independente ao mesmo tempo que simpatiza com a gratificação do processo final - 5/5;
42. Capitão América – Guerra Civil - Gostei mais da condução do filme do que do andamento da saga nos quadrinhos - 5/5;
43. O Fantasma do Futuro – Ghost in The Shell - Revendo a animação pela terceira vez, agora dublada, é notável que a qualidade permanece a mesma, porém, o dinamismo do filme ficou um pouco datado e lento com o passar do tempo - 5/5;
44. Tarzan - A narrativa continua divertida e a animação, em especial à abertura, é mais impressionante do que eu lembrava - 5/5;
45. Pocahontas - Lembro de assistir quando mais novo, mas a experiência de rever foi como assistir pela primeira vez. História interessante, porém, poderia ser melhor elaborada - 4/5;
46. Os Incríveis - Melhor filme do quarteto fantástico - 5/5;
47. All work All play - Ótimo para conhecer melhor o mundo do e-sport - 5/5;
48. Caçador de Trolls - Um mockumentary padrão, mas a parte cientifica da história é muito interessante - 3/5;
49. Apertem os cintos, o piloto sumiu! - É impressionante como a simplicidade de boas piadas unidas a uma boa construção de história fazem um ótimo filme de comédia - 4/5;
50. X-Men – Apocalipse - Começa muito bem, mas depois os personagens são ignorados em prol da megalomania catastrófica do Bryan Singer. Ademais, por mais que J.Law seja a J.Law, prefiro ver a Mística nos filmes do X-Men - 2/5;
51. Dragões para sempre - Ótimas cenas de luta, mas história mais ou menos - 3/5;
52. Matrix - Por incrível que pareça essa foi a segunda vez que assisti ao filme, a impressão é de a história ficou muito melhor do que eu lembrava - 5/5.
Junho
53. Questão de tempo - Demorei para assistir, mas valeu cada segundo e seria ótimo poder voltar no tempo para rever pela primeira vez - 5/5;
54. Matrix – Reloaded - Assisti pela primeira vez e gostei da expansão do universo, mas é esquisito o fato dos efeitos especiais do primeiro filme serem melhores do que os do segundo - 4/5;
55. Os Capitães - Mais do que um documentário sobre Star Trek, é uma reflexão sobre os seus capitães dentro e fora da franquia - 4/5;
56. Truque de Mestre - O filme peca no ato final e em alguns efeitos especiais, mas ao todo é bem agradável - 3/5;
57. O Senhor dos Espinhos - Pensei que seria um filme com apelo científico, mas a história tem uma pegada mais de sobrevivência. O lado da correria é bem legal, lembra alguns clássicos do gênero, mas o lado filosófico deixa a desejar por melhor que a história seja - 3/5;
58. O Grande Mestre 3 - O filme tem uma certa desorganização narrativa, o que prejudica um pouco o enredo, mas ao todo é muito bem executado - 4/5;
59. Hoje eu quero voltar sozinho - Sempre senti falta de filmes nacionais que conversem com o público jovem, “Hoje eu quero voltar sozinho” preenche essa lacuna com maestria - 5/5;
60. Birdman - Um pouco arrogante e hipócrita, mas interessante e divertido em determinados pontos - 3/5;
61. Depois da terra - Muito problemático, mas com diversos conceitos e abordagens bem colocadas - 3/5;
62. Atração Perigosa - História envolvente, boas atuações e um ótimo trabalho do Ben Affleck como um todo - 5/5.
Julho
63. Matrix – Revolutions - O grande problema do terceiro Matrix é justamente ignorar a matrix, algo fundamental para a essência do protagonista. Em suma, fica aquela sensação de que essa é uma franquia que tem que voltar - 3/5;
64. Star Trek – Além da escuridão - Ainda continua ótimo, mas faltou construir melhor a história para aumentar a qualidade do vilão - 4/5;
65. Super 8 - Revi pela terceira vez e essa não será a última - 5/5;
66. Velozes e Furiosos 4 - Ignorei a franquia por muito tempo, nunca tive muito saco para carros e afins. No entanto, curti a pegada despretensiosa combinada com a ação bem construída - 3/5;
67. Velozes e Furiosos 5 - A mistura de Rio de Janeiro com Porto Rico é um pouco bizarra, principalmente com o fato do filme achar que uma favela consiste em uma grande rede criminosa comandada por um ator português interpretando um personagem de nome espanhol - 3/5;
68. De volta para o futuro - Lembrava de ter assistido ao final, mas nunca havia realmente visto o filme. Simples e extremamente divertido - 5/5;
69. Alvo Duplo - O filme tem personalidade, roteiro simples e com personagens em cenas divertidas; praticamente uma história dos anos oitenta - 3/5;
70. Crime Story -  Um filme diferente do estilo padrão de lutas do Jackie Chan, mas mesmo assim é bem bacana - 3/5;
71. O homem duplicado - Melancólico e perturbador no ponto certo. Jake, como de costume, fantástico - 3/5;
72. Um conto chinês - Darin é maravilhoso e mais uma vez um filme argentino comprova o abismo de qualidade com produções brasileiras - 4/5;
73. Eu vi o diabo - Mesmo depois de tanto tempo, o cinema coreano continua me impressionando. São duas horas e meia que passam como se fosse quarenta minutos - 5/5;
74. O homem dos músculos de aço - Documentário muito interessante e impressionante de diversos modos diferentes - 5/5.
Agosto
75. O fantástico Sr. Raposo - A simetria do Wes Anderson em uma animação de stop motion é algo realmente deslumbrante - 5/5;
76. Tubarão - Tenso e atemporal - 5/5;
77. Esquadrão Suicida - Começa até que aceitável, mas depois vai decaindo absurdamente devido a inúmeros problemas, como o vilão ruim, trama medíocre, piadas exageradas e sem graça, excesso de Arlequina, vilões fofos, falta de desenvolvimento de personagem, falta de uso prático das habilidades dos vilões, e assim por diante - 2/5;
78. Quase igual aos outros - Divertido, inteligente e bem à frente do seu tempo para um filme da década de oitenta - 4/5;
79. A Marca da Maldade - Impressionante como uma história simples bem contada tem resultados maravilhosos. O filme é de 1958, mas não é lento e as atuações não são caricatas - 5/5;
80. O Homem-Formiga - Rever o filme foi uma excelente escolha para um sábado à noite, pois "O Homem-Formiga" me pareceu melhor do que de quando vi no cinema; a única exceção desse comentário é uma cena de fanservice mal resolvida - 4/5;
81. Indie Game After Life - Igualmente interessante ao primeiro documentário, mas a montagem peca no equilíbrio da narrativa, o que deixa o terceiro ato desequilibrado e, às vezes, desinteressante - 4/5.
Setembro
82. O Som ao Redor - Lento e às vezes muito contemplativo, porém, é um bom filme - 4/5;
83. Invasão à Londres - Não é melhor que o primeiro, mas é um ótimo filme ruim - 2/5;
84. Louca Obsessão - Mesmo com uma linguagem antiga, mas não antiquada, o filme ainda causa uma boa tensão para o telespectador - 5/5;
85. A Princesa e o Sapo - Não esperava muito coisa, as músicas são esquecíveis e a sinopse não é a das mais interessantes. No entanto, alguns detalhes do enredo são bem criativos, a animação é de qualidade e os personagens são ótimos - 4/5;
86. 5 centímetros por segundo - Dividido em três episódios de duração diferente, 5 centímetros por segundo é muito sentimental ao falar da distância entre relações - 4/5;
87. E.T. - O Extraterrestre - Uma breguice boa - 5/5;
88. Star Trek: Sem Fronteiras - Ação espacial perfeita, porém, na hora de cair na porrada mano a mano as coreografias não são muito boas porque só em algumas cenas o cenário é utilizado com eficácia. A história é bem bacana, melhor que o anterior - 4/5;
89. Veludo Azul - Meu primeiro David Lynch. Esperava algo mais surtado, principalmente por causa do que as pessoas falam do trabalho dele, mas acredito que “Veludo Azul” apresenta com qualidade as coisas estranhas do mundo - 4/5;
90. ARQ - O filme é a prova de que uma história clichê bem executada proporciona ótimos resultados. Todavia, faltou mais criatividade na elaboração das cenas - 3/5;
91. As Tartarugas Ninja - Roteiro horroroso, mas as cenas de ação salvam o entretenimento - 2/5.
Outubro
92. Sicário - Terra de Ninguém - Não é o melhor filme do Villeneuve, mas é um dos seus melhores. A maneira que ele conduz as cenas sem trilha sonora, trabalhando apenas com o som ambiente, são fantásticas por enriquecerem a tensão da trama - 5/5;
93. Star Wars: A Guerra dos Clones - O filme tem a essência da série clássica, mas a trama perde a leveza e qualidade de desenvolvimento no arco final - 4/5;
94. De volta ao jogo - Ação inteligente, sabendo usar diversos estilos, mas sem ser megalomaníaco. Os personagens são bem interessantes, o que ajuda a contribuir para o desenvolvimento do enredo - 4/5;
95. O Hospedeiro - Mais um filme para salientar que o cinema contemporâneo coreano é um dos melhores do mundo. Perfeita mistura de gêneros em um enredo simples que vai elevando sua escala de dramaticidade a partir do desenvolvimento individual de cada personagem - 4/5;
96. Ring - O chamado - Passei um bom tempo da minha vida acreditando que era um filme de terror sinistro, mas na verdade é um suspense sobrenatural inteligente e ainda hoje diferenciado em comparação as produções modernas do gênero - 5/5;
97. Hunter x Hunter: Phantom Rouge - Uma história genérica divertida, boa para poder voltar ao mundo de Hunter x Hunter sem maiores compromissos - 3/5;
98. Os Excêntricos Tenenbaums - Sutil, elegante, divertido e simétrico como um bom filme do Wes Anderson - 5/5;
99. Mulan - Estava querendo rever o filme a muito tempo, mas só tive essa oportunidade agora. As músicas não são as melhores da Disney, no entanto, o filme é de longe uma das melhores histórias animadas da casa do Mickey - 5/5.
100. O Rapaz e o Monstro - Mamoru Hosoda tem um espaço especial no meu coração por ter feito ”A Garota que Conquistou o Tempo”, mas em “O Rapaz e o Monstro” ele avança ainda mais em suas qualidades, oferecendo uma animação melhor e ainda proporcionando um roteiro amorzinho - 5/5;
101. Bob Esponja: O Filme - É impressionante como o filme é feito exclusivamente de frases e momentos marcantes. Mesmo mais de dez anos depois, “Bob Esponja” permanece excelente - 5/5;
102. Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2 - Divisão em duas partes é um erro absurdo para qualquer história. O pai do Harry é babaca e o Snape é fodão. Fora isso, é muito vacilo mandar toda a Sonserina para o calabouço (discriminação!) - 4/5.
Novembro
103. Máquina Mortífera - Não imaginava todo o peso psicológico por de trás da trama do filme. Além disso, a interação entre os personagens é bem divertida. O arco final, mais lento e menos dinâmico, é a parte mais fraca do filme - 4/5;
104. Inimigo Público - O filme não envelheceu com o tempo e sua temática nunca esteve tão atual. Mantenho cinco estrelas mesmo com a imagem de vídeo que gira como uma câmera 360º - 5/5;
105. Chef - Filme amorzinho feito para você assistir e passar fome - 4/5;
106. A Vida Marinha com Steve Zissou - Não é o melhor filme do Wes Anderson, mas tem um cachorrinho de três patas, Cate Blanchett e o Seu Jorge - 4/5;
107. Doutor Estranho - Tilda Swinton maravilhosa, mas ainda é whitewashing. O Doutor Estranho também é legal - 4/5;
108. Drácula: A História Nunca Contada - Ótima ideia com execução péssima resulta nisso daqui - 1/5;
109. Suspiria - É impressionante o nível de tensão do filme. Mesmo sem grandes atuações a direção consegue te passar o ponto certo da densidade de terror através do espetáculo visual e da trilha sonora - 4/5;
110. Jersey Boys: Em busca da música - Mais um ótimo filme na carreira do Clint Eastwood. A construção da história é bem interessante, não limitada a um arco simples e comum dos filmes biográficos - 4/5;
111. Os Bad Boys - O Michael Bay já era o Michael Bay antes de ser o Michael Bay - 2/5;
112. Scott Pilgrim Contra o Mundo - É impressionante como o filme continua bom. A história passa muito rápido, mas isso não é um problema real - 5/5;
Dezembro
113. Déjà Vu - O conceito é muito interessante, mas o filme não sabe brincar muito bem com a situação e às vezes a história aparenta ser um pouco arrastada - 3/5;
114. I am a Hero - O filme sabe utilizar do seu orçamento muito bem. Quando precisa gastar, o dinheiro é investido corretamente, mas quando precisa ser econômico, a narrativa bem construída não perde nenhuma das suas qualidades - 4/5;
115. Star Wars VII: O Despertar da Força - Gosto de muitas coisas no filme, mas um dos meus pontos favoritos é o Kylo Ren, um ótimo vilão que ajuda no desenvolvimento dos dois protagonistas. O cinema precisa de mais vilões relevantes - 4/5;
116. A Grande Aposta - Acho fantástico que o diretor tenha desenvolvido uma linguagem própria para o filme para poder narrar uma história tão complicada de entender - 5/5;
117. Video Game – The Movie - Documentário interessante, mas não tem o melhor formato de linguagem para transmitir suas informações - 4/5;
118. Rogue One – Uma história Star Wars - Eu sou Um com a Força, e a Força está comigo - 5/5;
119. Saneamento Básico - A construção dos personagens em conjunto ao enredo torna o filme uma história única e extremamente divertida - 4/5;
120. Ponyo - O filme mais infantil do Miyazaki, mas mão menos interessante - 4/5;
121. Sem Limites - A versão boa de Lucy - 4/5;
122. Millennium III: A Rainha do Castelo de Ar - A trilogia é excelente como um todo. Gosto de como os dois diretores, o do primeiro filme e o que fez os dois últimos, carregam a história se baseando no roteiro e nas atuações, sem firulas cinematográficas, mas com muito elegância e qualidade - 5/5.

Um comentário: